COMISSÕES COMISSÕES

Doe órgão

CIHDOTT - Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

  • Contatos: (41) 3360-1879 ou (41) 98871-9750       
  • e-mail: cihdott@gmail.com

A CIHDOTT do Complexo Hospital de Clínicas tem dentre suas atribuições, organizar no âmbito do estabelecimento de saúde, o protocolo assistencial de doação de órgãos; cobertura de 100% dos óbitos ocorridos na instituição em relação a possibilidade de doação; notificar e promover o registro de todos os casos de diagnóstico estabelecido de morte encefálica; manter o registro de óbitos ocorridos na instituição; promover e organizar o acolhimento às famílias durante todo o processo de doação, realizar educação permanente aos funcionários da instituição sobre doação de órgãos e tecidos para transplante.

Doação de órgãos: fale com sua família

No Brasil, para ser doador de órgãos não é necessário deixar nada por escrito. Basta comunicar o seu desejo de ser um doador de órgãos à sua família. O desejo é seu, a decisão é deles, a doação só acontece após a autorização familiar documentada.

Doador vivo

É qualquer pessoa saudável que concorde com a doação de rim ou medula óssea e, ocasionalmente, com o transplante de parte do fígado ou do pulmão, para um de seus familiares. Para doadores não parentes, há necessidade de autorização judicial.

Doador falecido

Paciente internado usando respirador, com diagnóstico de morte encefálica. Podem ser doados rins, coração, pulmões, fígado, pâncreas e também tecidos, como, ossos, tendões, córneas, pele e valvas cardíacas. Um único doador pode salvar muitas vidas!

Morte encefálica é a perda irreversível das funções cerebrais, inclusive com a perda da capacidade de respirar. Morte encefálica equivale a morte, entretanto, o coração continua batendo por um tempo, e é nesse período que os órgãos podem ser utilizados para transplante. Essa condição pode ocorrer em decorrência de situações como o traumatismo craniano, acidente vascular encefálico, infecções do sistema nervoso central, tumores cerebrais.

O diagnóstico de morte encefálica faz parte da legislação nacional e do Conselho Federal de Medicina, dois médicos de diferentes áreas examinam o paciente e fazem o diagnóstico. Além disso, o diagnóstico de morte encefálica é confirmado por um exame complementar (doppler transcraniano, arteriografia, eletroencefalograma) que comprova que o encéfalo não funciona mais.

Os primeiros pacientes compatíveis que estão aguardando em lista única da Central Estadual de Transplantes. Esse processo é justo, seguro e controlado pelo Sistema Nacional de Transplantes, do Ministério da Saúde e supervisionado pelo Ministério Público.

A retirada dos órgãos e tecidos é realizada no centro cirúrgico do hospital e não causa nenhuma mutilação do corpo. O corpo do doador pode ser velado normalmente, pois não apresenta deformidades.

Central Estadual de Transplantes do Estado do Paraná

Ministério da Saúde

Campanhas