Notícias Notícias

Voltar

HUJBB atende mais de 300 pessoas em mutirão de prevenção ao câncer de pele

PREVENÇÃO

HUJBB atende mais de 300 pessoas em mutirão de prevenção ao câncer de pele

Ação faz parte da campanha Dezembro Laranja e pretende atender a população realizando exames preventivos, biópsias e pequenas cirurgias.

No último sábado, 07, o Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB) participou da campanha nacional alusiva ao Dezembro Laranja, mês de prevenção ao câncer de pele. O mutirão de atendimentos atendeu cerca de 360 pessoas, realizando exames preventivos, biópsias e pequenas cirurgias. Desse montante, a equipe do Serviço de Dermatologia da Universidade Federal do Pará (UFPA) detectou 73 casos de câncer na ação que contou com a participação de professores, residentes e alunos de graduação.

Desde muito cedo, pessoas vindas da região metropolitana de Belém e de outros municípios do interior já esperavam pelo mutirão, como a dona Raimunda Ribeiro, de 79 anos, que veio de Marituba com o objetivo de retirar um sinal que a incomodava há mais de dois anos. "Eu tenho esse sinal desde criança, mas há um tempo ele começou a crescer e ficar escuro, coçava, e acabou inflamando", explica. Após o resultado da biópsia, a dona Raimunda irá retornar ao hospital Barros Barreto para prosseguir com seu tratamento. "Gostei muito da equipe, aqui eles atendem a gente com todo o carinho", comenta.  

Os sintomas relatados pela dona Raimunda são os primeiros sinais que podem apontar um caso suspeito de câncer de pele, conforme explica a médica dermatologista Deborah Unger, coordenadora da ação. "Feridas que não cicatrizam, sinais com uma coloração diferente, uma pinta que apresenta alteração de tamanho, todos esses são fatores de alerta. Hoje nós fizemos 42 procedimentos cirúrgicos para retirada desses sinais, e já agendamos 31 para o próximo mês, garantindo o tratamento dessas pessoas aqui no Hospital Barros Barreto", conclui.

A Superintendente do Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Pará (UFPA)/Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Regina Fátima Feio Barroso, parabenizou a equipe do Serviço de Dermatologia pela ação. "Apesar de não sermos hospital de portas abertas, o atendimento em mutirão é uma ação de fundamental importância para atender pessoas que precisam de atendimento dermatológico, por isso estamos aqui cumprimentando e prestando todo o nosso apoio à equipe do serviço", ressalta a Superintendente.

Campanha – Há mais de 20 anos a campanha é promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e tem como objetivo conscientizar a população da importância dos cuidados com a pele, principalmente relacionados à exposição ao sol, que ainda é o principal fator relacionado ao câncer. Em 2018, só no Pará foram diagnosticados quase 2 mil casos de câncer de pele, e a previsão da SBD para 2019 é de que sejam diagnosticados 180 mil novos casos no Brasil. O tipo mais comum é o não-melanoma, e o mais grave é o do tipo melanoma.

Serviço – O Serviço de Dermatologia da Universidade Federal do Pará funciona desde 2017 no Hospital Barros Barreto, oferecendo atendimento aos pacientes regulados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para se consultar, o interessado deve, primeiramente, procurar a rede básica de saúde que irá referenciá-lo para a alta complexidade por meio de encaminhamento, que deverá ser apresentado no HUJBB para abertura de prontuário.

Sobre a Ebserh

Vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

A empresa, criada em dezembro de 2011, administra atualmente 40 hospitais e é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh. O Complexo

Texto: Paola Caracciolo – Ascom do Complexo Hospitalar da UFPA/Ebserh