Notícias Notícias

Voltar

Plantão psicológico para servidores do HU amplia formas de atendimento

SERVIÇO

Plantão psicológico para servidores do HU amplia formas de atendimento

O serviço iniciou devido à pandemia de Covid-19. No entanto, recentemente teve os horários ampliados e passou a incluir o atendimento online.

Pensando em prevenir danos e manter a saúde física e mental dos trabalhadores e residentes do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), profissionais das áreas de Terapia Ocupacional, Psicologia e Psiquiatria do próprio hospital estão atuando com atendimento especial.

O serviço iniciou devido à pandemia de Covid-19. No entanto, recentemente teve os horários ampliados e passou a incluir o atendimento online, conforme explica a psicóloga Alexsandra Torres. “Sobre o plantão psicológico presencial, que antes acontecia segundas, quartas e sextas pela manhã, e terças e quintas à tarde, hoje acontece de segunda a sexta, das 7h às 12h e das 13 às 18h, na sala 25, do ambulatório da Clínica Médica 2”, informa.

“Ampliamos o horário do serviço presencial e criamos também a oferta do plantão psicológico online, objetivando auxiliar um maior número de profissionais”, completa a psicóloga.

Para ter acesso ao serviço online, que já está em funcionamento, o trabalhador ou residente deve preencher um formulário por meio do link: https://forms.gle/4qWZb9enCMLZUA2G9.

O canal é composto por psicólogas que oferecem um suporte especializado conforme a  necessidade de cada trabalhador. “Para que possamos compreender melhor a solicitação, é importante preencher o formulário, enviar as informações e aguardar o nosso contato por até 24 horas, para especificar os detalhes a respeito do atendimento. Cabe ressaltar que os dados do formulário ficarão disponíveis apenas para a equipe de psicologia, sendo restrito o compartilhamento dessas informações, conforme Art. 9º do Código de Ética Profissional do Psicólogo(a)”, detalha Alexsandra.

O plantão psicológico tem como público alvo todos os trabalhadores do HU, sejam eles da área médica, assistencial, administrativa ou terceirizados, além de residentes atuantes no hospital.

Guia

Além dos atendimentos, residentes de Psicologia do Programa de Saúde do Adulto e Idoso do HU-UFS, organizaram um guia de cuidados que funciona como um suporte em saúde mental em tempos de pandemia.

“Diante da pandemia do Covid-19 e da sua gravidade, das repercussões psicossociais relacionadas à doença e da natureza do trabalho realizado pelos profissionais da linha de frente, tais cuidados devem ser constantes e ter a sua necessidade e relevância validadas, tanto pelos próprios trabalhadores da saúde quanto pelos gestores”, diz um trecho do material.

A publicação aborda de forma didática as reações mais frequentes na atual situação de pandemia, sejam elas emocionais, como o medo, a angústia e a tristeza; comportamentais, como atos agressivos e crises de pânico; e os transtornos psíquicos imediatos. Para ler o guia completo, acesse “Suporte em saúde mental em tempos de Covid-19 - Guia de cuidados aos profissionais da saúde”.

Plantão

Já o atendimento psicológico em regime de plantão é caracterizado por um espaço de acolhimento e escuta qualificada, no qual são trabalhadas questões pontuais e emergentes. O contato é breve e tem como objetivo atender a pessoa no momento de sua necessidade, em busca de apoio emergencial para situações de crise como a que está sendo vivenciada nessa pandemia.

Está sendo ofertado também para os colaboradores o acompanhamento psicológico a longo prazo, mediante encaminhamento da equipe da Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho, da psicóloga organizacional da instituição e do psicólogo que identifica a demanda durante atendimento no plantão psicológico.

As Unidades de Reabilitação e de Atenção Psicossocial do HU-UFS desenvolveram essas ações pensando na prevenção e manutenção da saúde biopsicossocial de todos os envolvidos no processo de enfrentamento ao Covid-19, porém os profissionais que não estão diretamente cuidando dos pacientes também podem receber o atendimento.

Por Andreza Azevedo