Notícias Notícias

Voltar

Programa amplia o uso racional e seguro de antimicrobianos no HU

STEWARDSHIP

Programa amplia o uso racional e seguro de antimicrobianos no HU

Por meio do uso racional dos medicamentos, o hospital registrou uma economia de mais de R$ 15 mil em três meses.

O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), foi um dos quatro contemplados pelo Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (PR), para receber uma qualificação em atividades de gerenciamento de antimicrobianos. Além do HU-UFS, participam do projeto um hospital de São Paulo e dois do Paraná.

A iniciativa é focada no Programa de Stewardship de Uso Racional e Seguro de Antimicrobianos, que monitora a qualidade e segurança assistencial prestada pelo hospital aos seus pacientes, além de realizar uma seleção otimizada para dose e duração do tratamento. De acordo com a chefe da Unidade de Farmácia Clínica do HU-UFS, Geovanna Cunha, o projeto com o Pequeno Príncipe iniciou em janeiro, com a seleção dos hospitais participantes.

“Em março, farmacêuticas do HU-UFS estiveram em Curitiba para uma visita ao Hospital Pequeno Príncipe. Na realidade, o HU-UFS já realizava algumas das atividades previstas na qualificação, mas o Hospital Pequeno Príncipe veio para aprimorá-las, para implementar algumas estratégias de controle do uso de antimicrobianos”, resume.

“Depois da nossa visita ao Pequeno Príncipe, passamos a acompanhar mais de perto os pacientes que fazem uso de antibióticos de amplo espectro, visando ao uso racional desses medicamentos, ou seja, só usar se for realmente necessário, na dose certa, ajustar as funções renal e hepática do paciente pelo tempo correto, e contar com avaliação de infectologista”, conta Geovanna.

Performance

A farmacêutica informa que este é o quinto mês do projeto, de um total de dez meses. “Dos quatro hospitais tivemos a melhor performance até agora no registro de intervenções. Registramos 40%, um resultado muito bom, especialmente em tempos de pandemia”, comemora.

A verba para a qualificação é proveniente de uma parceria entre o Hospital Pequeno Príncipe e uma fabricante de medicamentos. No HU-UFS, de acordo com as farmacêuticas, foi importante também a participação dos residentes. “Sem eles talvez não tivéssemos avançado tanto”, reconhece Geovanna Cunha.

Além de Geovanna, outra farmacêutica atuante no é Simony Soares. “Acabamos de receber uma parcial, um demonstrativo sobre nossos resultados no programa até agora. Pelos resultados compilados, o nosso hospital se destacou dentro do projeto, sendo responsável, como Geovanna citou, por 40% das intervenções registradas durante o programa inteiro”, destaca Simony.

“O nosso hospital é o menor dos quatro participantes, é o único do Nordeste, e conseguimos registrar uma economia de mais de R$ 15 mil em três meses com o uso racional dos medicamentos. Daqui para a frente a perspectiva é melhorar ainda mais e conseguir ter a contribuição de mais pessoas, envolvendo profissionais da nossa e de outras áreas”, complementa Simony.

Focos

Para ela, os principais focos são a segurança do paciente, o combate à resistência aos antimicrobianos e, como consequência, o resultado econômico também. “A ideia é permanecer com essas atividades, utilizar essa qualificação em nosso favor, combatendo a resistência aos antimicrobianos. O projeto finaliza em fevereiro de 2021, mas a nossa ideia é de implantação no hospital como uma ação que veio para ficar”, pontua.

O projeto iniciou em janeiro, com a seleção dos quatro hospitais participantes. Em fevereiro, ocorreu a primeira visita para diagnóstico. No mês seguinte, foi realizado o treinamento do modelo de stewardship de antimicrobianos. Já em abril, ocorreu o início efetivo das atividades de gerenciamento de antimicrobianos. Finalmente, em agosto, a avaliação dos resultados dos projetos, na qual o HU se sobressaiu com 40% do total de intervenções.

Sobre a Rede Hospitalar Ebserh

O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS) faz parte da Rede Hospitalar Ebserh desde outubro de 2013. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas.

Devido a essa natureza educacional, os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Hospitalar Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país.

Por Andreza Azevedo

Imagens: