Notícias Notícias

Voltar

Cientistas do HU ajudam a detectar uma nova espécie de parasita

DESCOBERTA

Cientistas do HU ajudam a detectar uma nova espécie de parasita

Pacientes atendidos no HU estavam contaminados com um parasita capaz de causar uma doença similar à leishmaniose visceral.

Pesquisadores do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), vinculado à Rede Ebserh, em parceria com cientistas da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Universidade de São Paulo (USP-Ribeirão Preto), descobriram uma na espécie de parasita que causa uma doença similar à leishmaniose visceral. Os resultados dessa pesquisa foram recentemente publicados no periódico Emerging Infectious Diseases.

A nova espécie, de acordo com o gerente de Ensino e Pesquisa do HU-UFS, Roque Pacheco, surpreendeu os pesquisadores pelo fato de os seus parentes mais próximos infectarem somente insetos. “O HU-UFS começou a atender os primeiros pacientes entre 2010 e 2012, quando desconfiamos de que alguma coisa estava errada. Um deles morreu depois de não responder a três tentativas de tratamento tradicional para leishmaniose. Para a nossa surpresa, identificamos outro parasita através da sequência do genoma do DNA e descobrimos, então, que não se tratava da leishmania”, relata o cientista.

O parasita descoberto pelo estudo faz parte da família Crithidia e não é causador da leishmaniose, principalmente a visceral, que é uma doença típica de lugares com clima tropical. Ao todo, os pesquisadores isolaram protozoários de cerca de 150 pacientes que apresentavam sintomas similares entre si. “Embora a doença causada pelo novo parasita se assemelhe em alguns aspectos à leishmaniose visceral, há algumas manifestações distintas, como feridas avermelhadas por toda a pele do corpo”, pontua Roque.

Atualmente, o grupo de pesquisadores tenta descobrir o tratamento ideal contra a doença causada pela espécie, que pode se chamar Cridia sergipensis. Ademais, ainda é preciso entender se o novo parasita tem a capacidade de interagir com o protozoário da leishmaniose, conhecido por leishmania, e causar infecções mais graves. “Do ponto de vista epidemiológico, também estamos tentando entender como esse parasita passou a infectar seres humanos. Os vetores não são exatamente os mesmos que transmitem a leishmania”, acrescenta Roque.

Para ler o artigo completo (em inglês), clique aqui.

Sobre a Rede Ebserh

O HU-UFS faz parte da Rede Ebserh desde outubro de 2013. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas.

Devido a essa natureza educacional, os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país.

Por Luís Fernando Lourenço

Imagens: