Notícia Notícia

Voltar

HUB tem sala exclusiva para operar pacientes

Coronavírus

HUB tem sala exclusiva para operar pacientes

Usuários com cirurgia agendada passam por duas triagens e fazem exame para detectar doença

Em razão da pandemia do novo coronavírus, o Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB) adaptou os processos de trabalho do Centro Cirúrgico para garantir a proteção adequada a pacientes e profissionais. A área conta com uma sala exclusiva para operar pacientes considerados suspeitos e confirmados para Covid-19, e espaços específicos para a equipe colocar e retirar os equipamentos de proteção individual (EPIs).

O fluxo dos pacientes também mudou. Agora, os usuários com cirurgias agendadas e que não podem ser adiadas passam por dois momentos de triagem antes do procedimento cirúrgico. O atendimento é realizado no Ambulatório 1, corredor Azul, sala D, e funciona de segunda a sexta-feira, de 10 às 13h. 

A primeira triagem é realizada 72 horas antes da cirurgia. Na consulta, o médico preenche o Formulário de Rastreio de Sintomas, direciona o paciente para a coleta de exame RT-PCR no próprio ambulatório e solicita que fique em isolamento domiciliar até o dia do retorno, que ocorre 48 horas depois.

Ao voltar para o segundo momento da triagem, o paciente deve apresentar o formulário de rastreio para o novo preenchimento pelo médico, que avaliará se apareceram sintomas e indicará o resultado do exame para Covid-19. A partir desse momento, podem ocorrer dois encaminhamentos:

1. Se o resultado do exame for positivo: paciente realiza a cirurgia na sala exclusiva e faz o pós-operatório na Unidade de Manejo da Síndrome Respiratória Aguda Grave (USRAG).

2. Se o resultado do exame for negativo, mas apresenta sintomas: paciente realiza tomografia de tórax e, se forem observados achados compatíveis com a Covid-19, o paciente realiza a cirurgia na sala exclusiva e faz o pós-operatório na USRAG. Se a tomografia não mostrar problemas, paciente opera em sala cirúrgica normal, com pós-operatório na clínica cirúrgica ou na UTI.

No caso de cirurgias emergenciais, se o paciente já está internado no HUB, não tem sintomas e os exames não confirmam a doença, a cirurgia é realizada em sala comum. Caso tenha sintoma, fará a tomografia e será direcionado de acordo com o resultado, para leito de internação comum ou USRAG.

Já os pacientes encaminhados por outros hospitais que precisam de cirurgia de emergência serão operados na sala exclusiva e ficarão em leito de isolamento no pós-operatório até a liberação dos resultados da tomografia e do exame RT-PCR que detecta a Covid-19.

O Setor de Vigilância em Saúde ofereceu treinamentos presenciais e pelo Teams sobre o novo fluxo às equipes da cirurgia. Além disso, o SVS tem capacitado diariamente os médicos que estão atendendo na triagem do ambulatório. 

Realização de cirurgias durante a pandemia
Com a chegada da pandemia, o HUB reduziu alguns atendimentos para evitar a circulação de pessoas no hospital, ajudando a diminuir as aglomerações e o contágio da Covid-19. Atualmente, a instituição realiza apenas as cirurgias emergenciais, oncológicas e as agendadas que não podem ser adiadas. O número de procedimentos cirúrgicos passou de 400 procedimentos por mês para 150.

Com a adaptação do espaço físico durante a pandemia, o Centro Cirúrgico funciona com 1 sala para pacientes com Covid-19 e 4 salas para usuários que não tenham suspeita ou conformação da doença.

Triagem
O HUB criou postos de triagem para avaliar todos os pacientes e acompanhantes que chegam ao hospital. Quem não apresenta queixas é encaminhado para o atendimento que veio buscar. Se a pessoa tem sintomas e se enquadra como caso suspeito de Covid-19, passa por uma avaliação mais completa e o encaminhamento vai desde a orientação para manter o isolamento domiciliar à coleta de exame para diagnóstico da doença e atendimento no próprio hospital.

 

Assessoria de Comunicação Social