Notícias Notícias

Voltar

Hucam estuda produção de anticorpos em quem teve o vírus

Covid-19

Hucam estuda produção de anticorpos em quem teve o vírus

Objetivo é saber como varia a defesa natural com o passar do tempo para, mais tarde, compará-la com o efeito de vacinas

VITÓRIA (ES) - O Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam-Ufes), por meio de sua Gerência de Ensino e Pesquisa (GEP), vai acompanhar colaboradores da instituição que tiveram Covid-19 para saber quantidade de anticorpos produzida  naturalmente contra o novo coronavírus. Serão seis meses de testes.

“Essa pesquisa é importante para saber se as pessoas que adquiriram a doença estarão efetivamente imunes, porque é uma informação que ninguém sabe ainda”, diz o gerente de Ensino e Pesquisa, o professor José Geraldo Mill.

O acompanhamento começou dia 18 de junho e conta com nove participantes. A meta é o recrutamento de 200 candidatos.

O hospital, integrante da rede Esberh, já conta com um programa de rastreamento da presença de anticorpos em colaboradores, por meio de testes rápidos, que inclusive está em curso. Mas o estudo descrito pelo professor Mill nada tem a ver com o programa. Na pesquisa, não só a presença de anticorpos é checada, mas também a quantidade. É essa variação ao longo do tempo que conta para a pesquisa. Além disso, apenas pacientes que tiveram teste RT-PCR positivo são elegíveis para o acompanhamento. 

O intuito do projeto é levantar dados que não existem na literatura médica sobre a resposta imunológica do corpo após se ter a Covid-19. Além da quantidade de anticorpos, o estudo vai correlacionar esses números com a gravidade da doença e por quanto tempo esses agentes de defesa vão se manter em circulação no corpo.

Por fim, os resultados serão comparados com a quantidade de anticorpos produzidas pela vacina, assim que ela surgir. 

“Todas as pessoas que atuam no Hucam, independente do cargo, se testarem positivo para Covid-19 estão elegíveis para participar do projeto”, explica Mill. 

Pesquisa chinesa

No último dia 22, a imprensa chinesa divulgou estudo publicado na revista científica Nature Medicine , com a conclusão de que anticorpos desenvolvidos pelo corpo humano contra a Covid-19 a´pos uma infecção podem durar apenas dois ou três meses. mas o gerente da GEP esclarece que a pequisa iniciada no Hucam vai analisar um público bem maior - o levatamento chinês trabalhou com apenas 37 voluntários -  e por mais tempo, o que permitirá melhores resultados.

Os colaboradores internos que se enquadrarem nos requisitos e quiserem se candidatar para participar do estudo deverão entrar em contato com Gerência de Ensino e Pesquisa do Hucam.

Sobre a Esberh

O Hucam-Ufes faz parte da Rede Ebserh desde 2013. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Como hospitais vinculados a universidades federais, essas unidades têm características específicas: atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, apoiam a formação de profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas.

Devido a essa natureza educacional, a os hospitais universitários são campos de formação de profissionais de saúde. Com isso, a Rede de Hospitais Universitários Federais atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país.

Saiba mais

Hucam participa de estudo para nova forma de dianóstico da Covid-19

Hucam é parceiro em inquérito sorológico do novo coronavírus

Hucam lança aplicativo com informações sobre a Covid-19 para a população