Notícias Notícias

Voltar

Superlotação limita atendimento para pacientes de baixa complexidade no HUL

PRONTO ATENDIMENTO

Superlotação limita atendimento para pacientes de baixa complexidade no HUL

Medida para conter superlotação será revertida assim que o fluxo de atendimento normalizar

Devido ao aumento significativo do número de atendimentos a pacientes de maior gravidade neste momento - que requerem internamento, cuidado e atenção mais prolongados -, o Hospital Universitário de Lagarto (HUL-UFS) informa que o atendimento de porta (Pronto Atendimento) está limitado para pacientes de menor gravidade – classificados como de baixa complexidade.

A medida para conter a superlotação é temporária, com os atendimentos voltando à normalidade assim que o fluxo de atendimento estabilizar. Para evitar uma espera ou desconforto maior até a prestação do atendimento, a unidade hospitalar observa que os pacientes sem maior gravidade ou não urgentes – classificados como azul ou verde - também poderão ter como referência postos e unidades de saúde que estejam ofertando serviços em seus respectivos municípios ou localidades.

O chamado eixo-crítico da unidade hospitalar, que compreende as Alas Vermelha e Amarela, voltado para o acolhimento a pacientes classificados como urgentes, emergentes e muito urgentes, atingiu e até ultrapassou a sua capacidade máxima de atendimento, tratando em grande parte usuários de idade mais avançada e pacientes com patologias crônicas. 

O HUL chama a atenção ainda para a ênfase que o hospital está dando neste momento ao atendimento de pacientes infectados pelo Coronavírus, o que tem mobilizado os profissionais e as equipe da unidade hospitalar no enfrentamento a este novo momento da pandemia.

De acordo com o protocolo assistencial de Acolhimento com Classificação de Risco  adotado pelo HUL e preconizado pelo Ministério da Saúde - o protocolo Manchester -, a prioridade está relacionada à gravidade de cada caso. Quem mais precisa, os casos mais urgentes são atendidos primeiro. Os casos mais leves ou menos graves são atendidos em seguida. A classificação adotada utiliza um sistema de cores para organizar o atendimento e acolher os usuários que procuram a unidade hospitalar.