Notícias Notícias

Voltar

Usuários do Hospital Universitário recebem orientações sobre doença renal no dia D da Diálise

CAMPANHA

Usuários do Hospital Universitário recebem orientações sobre doença renal no dia D da Diálise

Atividades aconteceram em frente ao ambulatório do HULW como parte da campanha de 2019: Vidas importam - a diálise não pode parar

Você sabe o que diálise? Já se consultou com um médico nefrologista? Para esclarecer questões como essas e repassar orientações sobre como prevenir problemas renais, o Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW), vinculado à Universidade Federal da Paraíba e à Rede Ebserh, promoveu ações no Dia D da Diálise, que todos os anos é lembrado em 29 de agosto. A campanha de 2019 tem como tema “Vidas Importam – A diálise não pode parar”.

As atividades aconteceram em frente ao Ambulatório Professor Antônio Dias dos Santos durante todo o dia e contaram com entrega de material educativo, aferição de pressão arterial, distribuição de água e uma exposição com equipamentos que são utilizados durante a hemodiálise. A iniciativa, que partiu do Serviço de Nefrologia do HULW, objetivou prestar esclarecimentos ao grande público que circulou pelo ambulatório do hospital durante toda a quinta-feira.

Segundo a chefe do Serviço de Nefrologia, Priscila Farias, a cada 10 pessoas, uma vai evoluir para o quadro de insuficiência renal. Ela disse que o intuito da campanha idealizada pela Sociedade Brasileira de Nefrologia é conscientizar a população para a importância da assistência aos pacientes renais. Em 2019, o HULW destinou recursos para ampliação do serviço, com melhorias na estrutura física e aquisição de equipamentos para aumentar a oferta de hemodiálise para pacientes agudos internados nas clínicas e UTI do hospital, que é o único do Estado com infraestrutura adequada para atender esse tipo de usuário durante a internação.

De acordo com o coordenador médico do serviço, João Eudes Aguiar, nos últimos anos as estatísticas mostram um aumento de 70% dos casos de brasileiros diagnosticados com doença renal crônica. O nefrologista explicou que as principais causas do aumento no número de pessoas que, devido ao agravamento do quadro renal, precisam da máquina de hemodiálise para sobreviver, são a explosão nos índices de obesidade, diabetes e hipertensão arterial, as três principais causas do problema.

A aposentada Severina Cavalcanti, que procurou o HU nesta quinta para marcar consulta de retorno ao cardiologista, aproveitou para verificar a pressão arterial e saber detalhes sobre a importância de cuidar dos rins. “Tomo bastante líquido e minha alimentação é livre de excesso de sal, que causa muito mal para o nosso organismo. Hoje pude receber orientações de como adotar práticas que são fundamentais para nunca precisar usar a máquina de hemodiálise”, contou.

Hemodiálise no HULW

O serviço de nefrologia ganhou uma nova sala totalmente equipada com capacidade para quatro poltronas. Foram adquiridas três máquinas de hemodiálise e três sistemas de osmoses portáteis (necessárias para fazer o tratamento da água). A capacidade de atendimento passou de 25 hemodiálises por mês para uma média de 120 procedimentos mensais, um crescimento de 380%.

Além da sala, onde as sessões ocorrem das 7 horas às 19 horas sob a supervisão do médico nefrologista, as hemodiálises acontecem também na UTI, com a supervisão de médico intensivista. “Temos assistência de segunda-feira a segunda-feira. Agora, os pacientes não precisam aguardar mais e toda a demanda prescrita é imediatamente atendida, organizando a assistência e reduzindo complicações”, informou o coordenador médico do Serviço de Nefrologia, João Eudes Aguiar.

O serviço de hemodiálise do HULW não é regulado, mas voltado para os pacientes agudos internados no HULW e que precisam de intervenção em caráter emergencial. Caso o quadro indique que o usuário deve seguir com o tratamento, o hospital faz a vinculação com a Rede de Saúde e, então, ele é encaminhado para dar seguimento em outras unidades que realizam o atendimento a pacientes crônicos. “Alguns pacientes conseguem reverter o quadro e deixam de fazer hemodiálise, mas outros se tornam crônicos e precisam continuar com as sessões”, disse a chefe do Serviço de Nefrologia do HULW, Priscila Farias.

Sobre a Ebserh

O Hospital Universitário Lauro Wanderley da Universidade Federal da Paraíba (HULW-UFPB) faz parte da Rede Hospitalar Ebserh desde dezembro de 2013. Vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) foi criada em 2011 e, atualmente, administra 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

 

Jacqueline Santos - Jornalista HULW-UFPB/Ebserh

Imagens: