Notícias Notícias

Voltar

HULW realiza workshop sobre pesquisa clínica e deve inaugurar núcleo até dezembro

CONHECIMENTO

HULW realiza workshop sobre pesquisa clínica e deve inaugurar núcleo até dezembro

Evento contou com participação de renomados representantes da pesquisa clínica no Brasil

Com a participação de renomados representantes da área de Pesquisa Clínica no País, o Hospital Universitário Lauro Wanderley, vinculado à Universidade Federal da Paraíba e à Rede Ebserh, realizou esta semana o I Workshop de Pesquisa Clínica e Inteligência Artificial. Promovido pela Gerência de Ensino e Pesquisa do HULW-UFPB/Ebserh, o evento ocorreu no auditório do curso de Fonoaudiologia da UFPB nos dias 15 e 16 deste mês. Até dezembro, o HULW deve inaugurar o Núcleo de Pesquisa Clínica da instituição.

Entre as autoridades presentes na abertura do workshop, estavam a reitora da UFPB, Margareth Diniz, a superintendente do HULW, Flávia Pimenta, o diretor do Centro de Ciências da Saúde (CCS), João Euclides Fernandes, o diretor do Centro de Ciências Médicas (CCM), Eduardo Sousa, e a coordenadora de Formação Profissional da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Caroline Brero.

Margareth Diniz destacou que o workshop é um evento de grande importância e será um divisor de águas para a pesquisa clínica no Estado. Ela afirmou também que a implantação do Núcleo de Pesquisa Clínica no Hospital Universitário Lauro Wanderley representa um novo patamar em pesquisas clínicas na Paraíba.

A reitora disse ainda que a viabilidade do Núcleo de Pesquisa no HULW será um avanço pelo fato de possibilitar a continuidade dos estudos iniciados no âmbito da Universidade. “Sabemos das dificuldades de se fazer pesquisa clínica. Quando dispusermos de um centro, com todo o aparato e a infraestrutura para que se desenvolvam esses estudos, vamos ter um avanço significativo. Muitas vezes, damos início à pesquisa não clínica, mas não damos seguimento porque a segunda etapa é o estudo com seres humanos”, detalha.

De acordo com a superintendente do HULW, Flávia Pimenta, a realização do workshop foi o primeiro passo, efetivamente, para se iniciar as atividades de pesquisa clínica no hospital. “A Ebserh, em seu compromisso com a UFPB, está fortalecendo o ensino, a pesquisa e a extensão. Com a implantação do Núcleo de Pesquisa Clínica, estamos seguindo para um novo patamar, com o início das ações de pesquisa clínica previstos para o próximo ano”, afirmou.

O Gerente de Ensino e Pesquisa do Hospital Universitário Lauro Wanderley e membro da comissão organizadora do evento, Ângelo Melo, explicou que o objetivo do workshop foi multiplicar e dar conhecimento à comunidade universitária e a toda a sociedade paraibana da importância do desenvolvimento de pesquisa clínica no País.

“Trata-se de uma atividade que traz várias contribuições, entre elas qualidade de vida, porque é responsável pelo desenvolvimento de tratamentos para cura e prevenção de doenças; além de contribuir para a geração de emprego qualificado; oportunizar investimentos em infraestrutura e dar um protagonismo ao País no mercado global. A pesquisa clínica, por sua importância, é uma política de estado. Apesar de termos potencial, somos ainda um país coadjuvante nessa área. Entendemos que o hospital universitário é um ponto estratégico para desenvolver pesquisa clínica, estamos fazendo a nossa parte”, informou.

Desafios e perspectivas

Durante o evento, profissionais de instituições de destaque em pesquisa clínica discutiram sobre os desafios e perspectivas desse tipo de investigação científica no Brasil. Entre os palestrantes estavam representantes da Ebserh, Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e FioCruz. Durante a abertura, do evento ocorreu um simpósio em que foram debatidas políticas públicas voltadas para a pesquisa clínica. 

A coordenadora de Formação Profissional da Rede Hospitalar Ebserh, Caroline Valero, apresentou um panorama da gestão de pesquisa no âmbito da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, responsável pela administração de 40 hospitais universitários federais."Debater política pública específica para pesquisa clínica é essencial para fomentar a inovação tecnológica e, consequentemente, melhorias na assistência à saúde. Além disso, promove a aproximação entre hospitais e o setor privado visando a futuras parcerias". 

Ela destacou a importância do evento e acrescentou que o Núcleo de Pesquisa que será implantado no HULW vai propiciar uma ação conjunta com outros Hospitais Universitários vinculados à sede e que já possuem organismos semelhantes. "A gente tem sete hospitais que despontaram na pesquisa clínica e outros 22 hospitais que já estão trabalhando com centros desse tipo. No Nordeste, já existem centros no Ceará, Bahia, Sergipe, e a gente vai conseguir, agora com o Núcleo de Pesquisa do Hospital Lauro Wanderley, também fazer uma rede colaborativa na região".   

Já a representante da Anvisa, Flávia Sobral, apresentou dados sobre o perfil de autorizações de ensaios clínicos na instituição. O Nordeste ainda tem uma baixa quantidade de centros de pesquisa clínica, e a maior concentração desses institutos ainda está nas regiões Sul e Sudeste. “Precisamos mudar esse cenário. Um dos desafios da Anvisa e demais atores envolvidos no processo é levar a expansão dos ensaios clínicos para o restante do País, tirando a concentração do Sul e Sudeste”, frisou.

A pesquisadora Gleyce Lousana, presidente executiva da Sociedade Brasileira de Profissionais em Pesquisa Clínica (SBPPC), também foi uma das palestrantes do workshop. Ao ser entrevistada, ela comentou sobre as ações de fomento da Ebserh à pesquisa clínica. “A Ebserh faz muitas coisas. Especificamente em relação ao EpecSUS (Programa Ebserh de Pesquisas Clínicas Estratégicas para o SUS) acho que foi muito importante fazer pesquisa clínica dentro do Sistema Único de Saúde. A Ebserh está fazendo o papel dela, mas a gente não pode jogar toda a responsabilidade em cima de uma Ebserh. A gente tem de jogar a responsabilidade em cima das pessoas que estão trabalhando”, afirmou.

Ela ressaltou que pesquisa clínica não é problema de uma ou outra instituição, mas de todo mundo. “Pesquisa precisa ser fomentada pelo Ministério? Precisa, mas tem que ser fomentada também em parceria público-privada. As pessoas precisam ser menos preconceituosas e entender que as parcerias público-privadas, quando feitas com transparência, podem ter excelentes resultados”, disse.

O I Workshop de Pesquisa Clínica e Inteligência Artificial do HULW-UFPB também incluiu o I Simpósio Sobre Inteligência Artificial em Saúde (nos dias 15 e 16) e um Curso de Bioestatística (que será realizado neste sábado, 17), no auditório Professor Lindbergh Farias, localizado no térreo do Hospital Universitário.

Sobre a Rede Ebserh

Desde dezembro de 2013, o HULW-UFPB integra a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Vinculada ao Ministério da Educação, a estatal administra atualmente 40 hospitais universitários federais, apoiando e impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência.

Imagens:

Jacqueline Santos - Jornalista HULW-UFPB/Ebserh