Notícias Notícias

Voltar

Especialista do HULW alerta sobre prevenção da osteoporose

CUIDADO

Especialista do HULW alerta sobre prevenção da osteoporose

Fraturas são o principal sinal da doença, no entanto, ainda é baixo o número de pessoas que buscam tratamento correto

Chamar a atenção da população para uma doença silenciosa que causa enfraquecimento da massa óssea. Na semana em que é celebrado o Dia Mundial da Osteoporose, 20 de outubro, a chefe do Serviço de Reumatologia do Hospital Universitário Lauro Wanderley, Eutília Freire, alerta sobre os cuidados que devem ser tomados para prevenir o problema, que afeta cerca de 10 milhões de brasileiros, segundo dados da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF).

Fatores como alimentação baseada em dieta isenta de lactose – pobre em cálcio e vitamina D, sedentarismo, consumo de álcool, deficiência hormonal e envelhecimento da população vêm aumentando a incidência de osteoporose em todo o mundo, segundo Eutília. “Uma média de 33% das mulheres com mais de 50 anos é afetada pela osteoporose. Isso é devido ao período pós-menopausa. Em relação aos homens, os sinais surgem na população mais idosa”, esclarece a reumatologista.

O HULW é referência para tratamento de pessoas com doenças reumáticas e osteoarticulares. Por semana, são atendidos na unidade aproximadamente 300 pacientes com osteoporose associada a outras patologias. Já um total de cerca de 70 usuários chegam semanalmente ao hospital com o quadro de osteoporose primária.

O diagnóstico pode ser feito por um exame de densitometria óssea, que mede a densidade mineral dos ossos (aferida com base na concentração de cálcio) e a compara com valores de referência, considerando a idade e o sexo do paciente. De acordo com a médica reumatologista Eutília Freire, a maioria das pessoas acometidas com a osteoporose percebem o problema apenas quando há alguma fratura do osso. As fraturas mais comuns ocorrem em locais como coluna, punho, braço e quadril.

Nos idosos pode haver complicações sérias como dores crônicas e dificuldade de locomoção. “Com a quantidade baixa de cálcio, os ossos se quebram com facilidade. Muitas vezes o paciente só tem o diagnóstico depois que ocorre fratura”, informou. Levantamento do IOF mostra que de cada três pacientes que sofreram fratura no quadril, um tem o diagnóstico de osteoporose e, deste número, um em cada cinco recebe algum tipo de tratamento.

Prevenir é o melhor caminho, conforme Eutília explica. “Adotar um estilo de vida saudável, com boa alimentação, atividade física regular e visita regular ao profissional médico, é a base para a saúde da estrutura óssea em qualquer idade.

Para ampliar a informação sobre a doença, na segunda-feira, dia 21, o Serviço de Reumatologia promoveu uma manhã de palestra sobre o que é a osteoporose e como preveni-la. Os pacientes puderam ainda participar de um café da manhã. A ação foi alusiva ao Dia Mundial da Osteoporose, celebrado em 20 de outubro.

Sobre a Ebserh     

O Hospital Universitário Lauro Wanderley da Universidade Federal da Paraíba (HULW-UFPB) integra a Rede Ebserh desde dezembro de 2013. Estatal vinculada ao Ministério da Educação (MEC), a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) administra atualmente 40 hospitais universitários federais.

O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

A empresa, criada em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

 

Jacqueline Santos - Jornalista HULW-UFPB/Ebserh

Imagens: