Notícias Notícias

Voltar

Hospital Universitário recebe equipamentos para método contínuo de diálise que serão usados no tratamento de pacientes Covid e não-covid

Investimento em nefrologia

Hospital Universitário recebe equipamentos para método contínuo de diálise que serão usados no tratamento de pacientes Covid e não-covid

A diálise é um procedimento vital de purificação do sangue, que substitui a função do rim doente. No mundo, mais de 3,5 milhões de pessoas passam pelo tratamento regularmente. E com a pandemia de Covid-19, esse número não para de aumentar. Isso porquê, o HUSM além de ser referência em Nefrologia para a 4ª e 10ª coordenadoria regional de Saúde (CRS), é hospital de referência para pacientes Covid, e insuficiência renal aguda é uma das consequências do vírus. Estima-se que cerca de 25% das pessoas acometidas pelo coronavirus – uma a cada cinco – desenvolvem insuficiência renal.

Em meados de Agosto, o Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) recebeu dois aparelhos novos para hemodiálise em regime de comodato. A princípio, ficarão disponíveis por seis meses, durante a pandemia. Os equipamentos, fabricados na Alemanha pela empresa Fresenius, vão permitir ao hospital oferecer métodos contínuos de diálise para pacientes graves (com necessidade de drogas vasoativas muito alta).

As novas máquinas irão se somar as outras 10 usadas pelo método convencional. Elas foram solicitadas em março, quando a Unidade de Nefrologia começou a traçar estratégias de suporte para atendimento aos pacientes mais graves.

Entre as vantagens dos novos equipamentos está a maior mobilidade. As outras máquinas também são portáteis, mas dependem do suporte de encanamento de água para realizar o tratamento, e não são todos os setores do hospital que dispõem. As novas não precisam.

- Então, elas podem ser levadas para qualquer lugar. Essa portabilidade facilita muito o acesso dos pacientes a esse tipo de tratamento. No caso de pacientes graves, o próprio transporte aumenta o risco de vida – explica o médico nefrologista Marcos Felipe Andrade de Azambuja, ao comemorar a aquisição pelo fato de o equipamento viabilizar um tratamento pouco disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS), principalmente, nos serviços no interior do Estado.

Dois pacientes – internados na UTI e que não poderiam deslocar até a Unidade de Nefrologia – já foram beneficiados pelo método contínuo.

Além disso, com as 10 máquinas que o hospital dispõe, é possível manter o tratamento por até 10h. Para um tratamento mais longo, precisava substituir a máquina. Com os equipamentos novos, o mesmo tratamento ocorre por até 72h sem substituição.

- Vai ser um legado importantíssimo. Além de beneficiar os pacientes com coronavírus, os equipamentos novos vão possibilitar outros tipos de tratamento que precisam de circulação extracorpórea. Pode tratar, por exemplo, pacientes com insuficiência exógenas agudas provocadas pela exposição a defensivos agrícolas – afirma Azambuja.

- Enquanto maior hospital público de referência assistencial e de alta complexidade do interior do Estado, e, seguramente, um dos maiores centros de formação profissional para o sistema de saúde do Rio Grande do Sul, o HUSM conecta-se ao que há de mais desenvolvido em termos de tecnologia para produção de conhecimento qualificado e assistencia segura aos seus usuários - afirma Soeli Guerra, Gerente de Atenção à Saúde do HUSM.

A enfermeira Nathany Mello de Avila, RT Enfermagem do Setor, destaca a tecnologia de anticoagulação regional com Citrato/Cálcio que permite dialisar pacientes com distúrbios de coagulação, grandes cirurgias, riscos de sangramentos e outras e outras comorbidades que não toleram o uso de heparina.

- Isso aumenta a funcionalidade do sistema diminuindo os riscos de coagulação do kit de tratamento e consequentemente perdas sanguíneas - afirma Nathany.

Além disso, a máquina realiza terapia dialítica contínua, utilizando baixa taxa de ultrafiltração/hora e fluxo sanguíneos reduzidos, permitindo o tratamento de pacientes graves. Pois, reduz o risco de instabilidade hemodinâmica, impactando significativamente na expectativa de melhora destes pacientes.

- Estamos felizes por proporcionar ao nossos pacientes o que há de melhor em terapia renal aguda, atualmente, e termos conquistado esse legado importantíssimo para além da pandemia por Covid-19.

A equipe de enfermagem que atua na Unidade de Internação da Nefrologia, em conjunto com três enfermeiros da UTI, participaram de uma capacitação que durou cinco dias, das 8h às 17h, com aulas práticas e teóricas para o manuseio da máquina.

As outras 10 máquinas seguem em atendimento aos pacientes crônicos.

Imagens: