Notícias Notícias

Voltar

HUWC realiza I Encontro de Pacientes com Leucemia Mieloide Crônica

FOCO NA ADESÃO AO TRATAMENTO

HUWC realiza I Encontro de Pacientes com Leucemia Mieloide Crônica

Os profissionais do Ambulatório de Leucemia Mieloide Crônica (LMC), da Unidade de Oncohematologia do Hospital Universitário Walter Cantídio, organizaram o I Encontro de Pacientes com LMC do Hospital. O evento, realizado no auditório do Hemoce na manhã do último dia 26 de setembro, reuniu cerca de 50 pessoas, entre pacientes, colaboradores e cuidadores.

O objetivo do encontro foi essencialmente educativo, com foco na melhoria da adesão do paciente ao tratamento. “Uma das dificuldades que temos hoje é a aderência à terapia medicamentosa. São remédios de alto custo, fornecidos pelo Ministério da Saúde, que não podem ser desperdiçados por falta de adesão ao tratamento”, destaca Cinthya Andrade, chefe da Unidade de Farmácia Clínica e farmacêutica do ambulatório.

O recado ficou muito claro para o paciente Waldemir Sousa. “Devemos sempre tomar a nossa medicação como orientado pela equipe multiprofissional, ou seja, todo dia e no mesmo horário, respeitando o jejum para quem precisa. E nunca parar de tomar a medicação sem a autorização do médico por motivo nenhum”. Waldemir acrescentou que é necessária honestidade e franqueza na relação com médicos e farmacêuticos, porque isso vai influenciar na forma do tratamento e na qualidade de vida dos pacientes. Isso, inclusive, foi compartilhado num grupo de aplicativo de mensagens de pacientes do ambulatório como forma de estímulo e orientação aos que não puderam participar do encontro.

A manhã foi dividida em dois momentos. No primeiro deles, especialistas abordaram sobre diagnóstico, tratamento, reações adversas, importância da adesão e avaliação de resposta ao tratamento. “Chamo atenção de todos para a importância da franqueza na relação médico-paciente. Se não soubermos exatamente o que se passa com o paciente teremos dificuldade na abordagem”, afirmou Jaqueline Holanda, médica hematologista do ambulatório.

Num segundo momento, no painel sobre mitos e verdades acerca da LMC, os pacientes ficaram atentos às informações acerca de financiamento do tratamento e automedicação. “Se um paciente faz uso de medicamentos não prescritos pelo médico, ele pode ter seu quadro agravado, com risco de reações adversas que podem incorrer em internações e onerar o tratamento”, ressaltou Cinthya. Outro destaque foi para o tratamento da LMC em condições especiais, como em caso de gravidez. “Se a paciente engravidar, o tratamento terá de ser interrompido. Então, aproveitamos esta oportunidade para esclarecer sobre a importância dessa decisão”, alertou a médica hematologista Acy Quixadá. O encontro foi finalizado com depoimentos de pacientes sobre a relação deles com a doença.